• Adenilson critica decisão de prefeita em insistir implantar ‘indústria de multa em Sinop’

    08/02/2019

    Redator: Assessoria Foto: Thiago Silva
  • Compartilhar:

Em dezembro do ano passado a prefeita entrou com um agravo de instrumento contra a decisão de suspenção de instalação dos radares e no dia 23 de janeiro o Tribunal de Justiça acatou o agravo e a empresa pode continuar a instalação dos radares. A ação de suspensão havia sido proposta pelo vereador Adenilson Rocha (PSDB), que argumentou que a empresa vencedora do certame é investigada em Cuiabá.

 

Com o discurso forte, Rocha ainda lembrou que a empresa cogitada para a instalação dos radares na cidade é a mesma que atua na capital de Mato Grosso e em outros estados. E que, inclusive, estaria respondendo processos por preços acima do mercado. “Não estou intendendo o porquê ela está tentando implantar a todo custo esta ‘fábrica de multas’. Este valor poderia ser usado para asfaltar vários bairros em Sinop. Lamentável esta atitude”, dispara Adenilson.

 

Ao ingressar com a ação, Adenilson classificou a instalação dos radares como ato “lesivo ao patrimônio público” e dano ao erário “em virtude da imoralidade administrativa”. Ele apontou ainda que a empresa vencedora do certame está sendo investigada, em Cuiabá, por suposta fraude. O parlamentar destacou a acusação de que, na capital, os radares estariam “desligados” e o consórcio “formado por duas empresas, só teria se constituído oficialmente depois da data da assinatura do contrato com a prefeitura após vencer o pregão”.

 

“Queremos ações definitivas, que mudem de verdade o nosso trânsito. Ações de educação o trânsito, campanhas educativas. Não precisamos de paliativos, principalmente os caros como esse”, finaliza o vereador.

 

Adenilson também alertou sobre o valor gasto com a licitação. Ele alega que a prefeitura firmou contrato de R$ 9,9 milhões, com validade de dois anos. Levando em consideração a população aproximada de 140 mil habitantes, ele calculou um valor de R$ 35,40 por habitante, anualmente, para “assegurar o trânsito na cidade”.  O parlamentar anexou ainda reportagens sobre a instalação de radares em Marília (SP), onde, mesmo com um gasto de R$ 9,74 por pessoa.